(62) 3238-1100 contato@hmap.org.br
Escolha uma Página

Internado há 29 dias, o pequeno Marcelo Henrique contou com o amor e carinho da equipe multiprofissional do Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (HMAP) para comemorar seus sete meses de vida.

A comemoração aconteceu na tarde desta terça-feira, 6, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica da unidade de saúde. Para levar alegria e esperança para Marcelo e a mãe, os profissionais quebraram a rotina hospitalar e preparam um parabéns recheado com boas vibrações e com direito a balões.

Marcelo deu entrada no HMAP no dia 08 de setembro para tratamento de sequelas da Anóxia Neonatal, que é uma condição de privação ou diminuição da oferta de oxigênio ao cérebro durante o nascimento.

Segundo a psicóloga Nayara Ruben, empatia, solidariedade e cuidado personalizado são valores que estão no centro da assistência à saúde e do atendimento no HMAP “ A ação foi idealizada pela equipe multiprofissional da UTI Pediátrica com o intuito de reforçar que a vida de pacientes como o Marcelo, com prognóstico reservado, deve ser comemorada diariamente. Acreditamos que ações como essas contribui significativamente para o fortalecimento de vínculos familiares e do vínculo da família com a equipe assistencial”, explica.

Nayara ressalta que a comemoração proporciona a sensação de acolhimento e conforto para a mãe do paciente, pois ela vivência momentos de fragilidade devido a preocupações com o quadro clínico e com o prognóstico do filho.

“Como o paciente está hospitalizado desde o nascimento, a rotina familiar sofreu grandes alterações, afastando os pais de suas atividades rotineiras e restringindo o contato com outros entes queridos. Como nossa UTI é Humanizada, o paciente pode ficar com acompanhante 24 horas, e desde a internação a família fez questão de se manter presente e não deixaram o paciente sozinho um dia sequer. Durante esse processo, os pacientes e familiares se sentem vulneráveis e por isso a importância de tratá-los com ainda mais empatia e humanidade. É nossa missão ver o paciente muito além da doença e valorizá-lo como ser único e especial que é”, afirma